23 de agosto de 2006

Age of Empires III


Age of Empires III (**)

A série Age of Empires sempre teve, desde seu primeiro jogo, o objetivo de misturar RTS (Real Time Strategy, Estratégia em tempo real) e história, de forma a divertir quem está procurando um bom game e quem procura conhecer melhor a história mundial. De fato, esta junção tornou o jogo bastante famoso entre professores da matéria, que buscam na série uma maneira de aliar informação e diversão.
O terceiro jogo da série foi lançado com a promessa de continuar a saga iniciada com o primeiro Age of Empires. O primeiro jogo teve como tema a Antiguidade, o segundo a Idade Média e o terceiro trata da Era Moderna, com as Grandes Navegações e as colônias nas Américas.
A saga do Novo Mundo
Age of Empires III é um jogo que investiu pesadamente na parte gráfica. A idéia da Microsoft era criar um jogo luxuoso, com gráficos impressionantes e realistas. Muito foi investido nisso, e o jogo é realmente muito bonito, embora não tanto quanto foi aclamado por ai....
O game também trás algumas boas idéias em relação aos anteriores da série.
Uma grande idéia foram os povos nativos das Américas. Se, em meio ao jogo, você achar uma tribo nativa, você pode construir um posto de troca na aldeia, comprando soldados e tecnologia indígena, inca, asteca, maia entre outros nativos.
Outra ideia interessante é a da Metrópole, que governa sua colônia. Matar inimigos e explorar o mapa (ou descobrir uma trilha na floresta) lhe garante pontos de experiência. Com o tanto certo de experiência você pode mandar buscar na sua metrópole coisas diversas, como mercenários, reforços, comida, ouro, madeira....
A animação das unidades também foi bem feita. Agora elas não atacam as construções com espadas e lanças, mas sim jogando tochas nelas para incendia-las. Os heróis tem poderes especiais e as unidades são produzidas nos quartéis em grupos de cinco (exceto os construtores), o que agiliza o jogo e proporciona um exército muito maior.
Beleza não poe mesa...
Embora bonito e com algumas idéias inéditas, Age of Empires III perde muito para seu antecessor, principalmente no que é o principal objetivo da série, a junção entre história e RTS.
O enredo do jogo é uma "maionese trip" indigesta, capaz de revoltar até quem não conhece história. Ao contrário de Age of Empires, onde você podia jogar campanhas com povos da Antiguidade, e Age of Empires II, onde cada campanha era a vida de um herói medieval real, como Joana d'Arc e Willian Wallace, Age of Empires III trás apenas uma campanha, sobre uma bizarra "família Black".
Na primeira parte da campanha (dividida em três partes), o total nonsense já dá o tom. Os turcos vem para a América antes de Colombo (!), e os templários os perseguem(!!), aliando-se aos astecas(!!!), e tudo para combater uma sociedade secreta chamada Circle of Ossus(!!!!), que treina animais albinos (!!!!!) e procura a fonte da juventude, que o jogo diz dar imortalidade a quem bebe de sua àgua.
A tal Circle of Ossus é formada por idiotas completos, em certa parte do jogo, eles acham a fonte da juventude/imortalidade, e em vez de beber da àgua, esperam calmamente que você a destrua (e desde quando balas de canhão destroem fontes de àgua???!!!).
Além do enredo maluco, o jogo também tem inúmeros problemas. O principal é de ordem econômica. Por qual razão a Microsoft deixou que torrassem dinheiro em quase uma dezena de civilizações com características, unidades, construções e dublagens diferentes, se há apenas uma campanha? Obviamente se investiu muito no modo Multiplayer, deixando o modo Single Player a ver navios...
A tão aclamada excelência gráfica do jogo tem alguns problemas também. A maioria dos gráficos belíssimos diz respeito a efeitos de sombra, àgua e iluminação. Quando todos eles estão ligados o jogo fica lento, tende a travar e acontecem bugs gráficos em máquinas menos potentes. Quando desligados, o cenário perde muito da sua beleza.
A jogabilidade também decepciona. Enquanto no Age II tinhamos uma caixa de texto explicando qual unidade era melhor contra certo inimigo, no Age III temos uma confusa caixa de texto cheia de números e símbolos que mais confundem do que informam, o que acaba levando a estratégia ao mesmo patamar do Age of Empires original: faça muitos soldados e vença na superioridade numérica.
Outro problema é a escassez de àrvores. Mesmo a mais densa selva acaba em poucos minutos, e, enquanto ouro e comida podem ser providenciados em construções como as fazendas e plantations (latifúndios), o mesmo não acontece com a madeira.
Certas construções possuem limite para o cenário. Tudo bem que centros de cidade e fortes sejam limitados, mas colocar limites em torres de defesa é algo que beira o absurdo. Como você não pode construir nem mesmo uma dezena de torres de defesa (que por sinal são muito fracas), acaba sendo necessário deixar tropas em sua colônia para protege-la...
Algumas idéias do jogo também não são muito boas. Ao longo do cenário você pode encontrar "tesouros". estes tesouros são protegidos por "guardiões", que podem ser animais, piratas, indios, bandoleiros entre outros. Acontece que só os herois podem resgatar os tesouros, e eles, na maioria das vezes não valem à pena. Você sacrificaria dois ou três mosqueteiros em uma luta contra ursos para recuperar um aldeão ou 50 peças de ouro?
Outra idéia inútil: A cada missão é possível "personalizar" sua metrópole. Seria divertido, se a tal "personalização" não se resumisse a bandeirinhas, telhados de cores diferentes e pessoas andando na rua... E ainda é preciso pontos especiais para adicionar essa frescura numa tela raramente usada no jogo...
Outra bizarrice é o fato de os heróis serem imortais. Eles nunca morrem, apenas caem e ficam recitando poesia (!) até serem resgatados por tropas. Se a idéia funcinou bem em Age of Mitology (afinal heróis mitológicos raramente morrem...), em Age III ela parece simplesmente ridícula.
Veredito final, Age III confirma o ditado de "beleza não põe mesa". Feito para ser bonito e para fazer a festa em Lan Houses, o game decepciona quem quiser joga-lo em modo Single Player, é pesado, exige um computador de última geração e é inútil para ser usado por professores de história...
-site oficial: www.ageofempires3.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário