7 de novembro de 2008

Black (PS2)

Black (PS2) (****):

Os games para PC sempre contaram com excelentes shooters.  Desde a época de Doom, Quake e Duke Nunkem que os computadores estão muito bem servidos de games de ação em primeira pessoa. 

Com a chegada do PS2, as produtoras de games resolveram usar o poder gráfico do console para criar shooters ainda mais realistas e divertidos. 

Black figura facilmente como um dos melhores shooters para PS2 que já existiu!

Black Ops

A trama de Black se passa no Leste Europeu, durante as guerras que se sucederam nos anos 90, após o fim da União Soviética. Terroristas, paramilitares, hordas de civis armados até os dentes, todos brigando por um pedaço do antigo bloco soviético.

Você encarna um Black Ops, um operativo secreto da CIA, a mando dos EUA, para assegurar os interesses americanos na região, eliminar os terroristas e mandar tudo pelos ares. 

As cutscenes, com atores reais, vai desenvolvendo em flashback a história do jogo. Se você gosta de filmes de espionagem no estilo Identidade Bourne, 24 Horas e La Femme Nikita, vai se apaixonar por este game. 

Durante as missões, o realismo impressiona. Os cenários são extremamente elaborados, e são idênticos a certas localidades do Leste Europeu. A arquitetura, o clima, a iluminação, tudo trás uma excelência gráfica difícil de ignorar. 

As armas, nas mãos do personagem principal, também são absurdamente detalhadas. Todas foram cuidadosamente reproduzidas para serem o mais reais possível. 

A mecânica do jogo também é surpreendente. Atire em portas com uma escopeta para arrombá-las, exploda prédios com lança-mísseis, esconda-se atrás de barricadas, derrube coisas na cabeça de seus inimigos... Praticamente qualquer ação que você poderia fazer em uma guerra real pode ser reproduzida em Black.

As fases são, muitas vezes, bastante lineares, bastando andar para frente e atirar em (quase) tudo o que se move. Mas elementos extras quebram esta linearidade. Ao longo de cada fase você pode encontrar computadores com planos de ataques terroristas, armas experimentais, armas únicas, mapas, documentos roubados e outros "acessórios" de seus inimigos. Recolher ou destruir todos eles lhe confere armamento extra e possibilita abrir novos modos de jogo com níveis de dificuldade mais avançados.

Campos minados, cercas eletrificadas e outros obstáculos também te forçam a ter cuidado onde pisa, e muitas vezes alguns caminhos secundários são a solução para diversificar suas estratégias. 

Contra Black pesa o fato do game ter poucos savepoints, e muito distantes uns dos outros. Se você tiver que desligar seu PS2 durante uma fase, vai ter que recomeçar ela desde o início da próxima vez que ligá-lo. Isso é um pouco chato, uma vez que as fases são enormes...




















Nenhum comentário:

Postar um comentário